THE LEFTOVERS | Crítica Da 3ª Temporada

    Uma temporada magnifica.

    362

    O fim chegou. Após as duas primeiras temporadas, Damon Lindelof regressa mais uma vez como argumentista e showrunner da temporada final de The Leftovers. Argumentista de imensos blockbusters ao longo dos últimos anos (Prometheus, Tomorrowland – Terra do Amanhã, WWZ: Guerra Mundial e Além da Escuridão: Star Trek, apenas para dizer alguns) ganhou fama na TV com Perdidos, uma série de elevado sucesso que esteve no ar entre 2004 e 2010, terminando na sua sexta temporada. The Leftovers não teve a sorte de ficar no ar tanto tempo, e apenas tivemos direito a três temporadas.

    Com The Leftovers, Damon Lindelof teve mais liberdade que nunca para fazer uma série que explorasse os temas que ele queria da forma que queria. Infelizmente, devido à quebra de audiências entre a primeira e a segunda temporada, The Leftovers viu o seu fim chegar talvez mais cedo do que o previsto. No entanto, Lindelof construiu uma temporada final emocionalmente poderosa que juntamente com o que veio antes na série, fará com que The Leftovers seja tema de conversa durante muito tempo.

    [irp]

    Enquanto a primeira temporada tinha como base o livro escrito por Tom Perrotta, nas seguintes temporadas Lindelof teve mais liberdade para expandir os temas religiosos e os dramas humanos em que as personagens viviam. Devido ao facto de todas as temporadas terminarem encerradas, existiu sempre um novo catalisador para os eventos da temporada seguinte. Neste caso, a chamada que muda o destino de Nora e faz com que as personagens principais viajem para a Austrália é o momento chave que faz desencadear o enredo desta temporada final.

    Os temas religiosos estão constantemente presentes em The Leftovers. Há uma desconstrução do tema de várias formas, nunca simples e com as suas próprias regras que nunca são exactamente explicadas. Lindelof sempre disse para nunca esperarmos respostas, e é isso que devemos estar à espera. Respostas não há, mas realmente não são necessárias. O objectivo é que o público viva os eventos que estão a ocorrer da mesma forma que as personagens, que apenas tendem a aceitá-los e a lidar com eles da forma que conseguirem.

    UMA TEMPORADA MAGISTRALMENTE CRIADA E COM INTERPRETAÇÕES DE ALTÍSSIMO NÍVEL.

    Esta temporada de The Leftovers teve apenas 8 episódios, ao contrário dos habituais 10 das duas temporadas anteriores. Perto do fim, começa-se a sentir uma ligeira falta de tempo, e os episódios passam a conter mais informação e a fazer o melhor possível para mover várias histórias em simultâneo. Parece que Lindelof percebeu enquanto escrevia que estavam a faltar demasiadas coisas e já não havia assim tantos episódios nos quais as pudesse desenvolver.

    Os 8 episódios desta temporada são magistralmente criados, e o seu conjunto será olhado como o pico das séries de TV em 2017. Se já as primeiras duas temporadas tinham sido excelentes, a terceira consegue melhorar ainda mais, oferecendo momentos emocionantes que bateram forte dentro de mim. Todo este tempo as personagens viveram cheias de problemas, com dramas a assombrarem a sua vida, e vê-las a conseguirem resolvê-los e finalmente terem um final feliz ao lado dos que amam foi a verdadeira vitória dos últimos episódios desta temporada.

    [irp]

    Justin Theroux (A Rapariga no Comboio) e Carrie Coon (Em Parte Incerta) voltaram a demonstrar que são actores fantásticos, com interpretações absolutamente incríveis e momentos perfeitos, especialmente entre as suas personagens. É absurdo que ambos (assim como a série em si) tenham sido ignorados nos últimos anos pelos Emmys em troca de séries mais populares mas inferiores. Se voltarem a ser ignorados este ano, é uma injustiça tremenda.

    Carrie Coon tem constantemente demonstrado ser uma actriz de altíssimo nível e das melhores da sua geração em The Leftovers (está para lá do meu entendimento como é que chega à terceira temporada sem que a actriz tenha sido nomeada anteriormente, e correndo o risco de não o voltar a ser), e agora também pode ser vista em simultâneo na mais recente temporada de outra excelente série, Fargo.

    Para além do fabuloso par de protagonistas, The Leftovers também tem um elenco secundário de grande qualidade onde, entre outros, podemos ver Christopher Eccleston, que mais uma vez teve um episódio dedicado à sua personagem, que permitiu encerrar a sua trilogia pessoal de episódios fortemente carregados de religião ao longo das três temporadas. Um conjunto robusto de personagens secundárias é importante, e Lindelof sempre deu atenção a todos, tentando sempre dar-lhes novos e interessantes enredos que complementam os temas da série e o que acontecia na vida de outras personagens. Os arcos de personagem apresentados nesta temporada serviram para dar um final satisfatório a todos eles, explorando e resolvendo os seus problemas pessoais de forma perfeita.

    [irp]

    Não há um ponto alto na temporada, pois todos os episódios têm momentos incríveis. No entanto, os episódios que envolvem Kevin são sempre memoráveis e acabam sempre por ser dos meus favoritos. As séries têm sempre dificuldade em ter um episódio final satisfatório, mas The Leftovers conseguiu quebrar a maldição. O episódio final encerra a história dos protagonistas da melhor maneira possível, dando-lhes o final que merecem.

    Damon Lindelof criou provavelmente a melhor temporada que poderás ver este ano. Todas as emoções vividas e as reviravoltas inesperadas têm um desfecho bem pensado. Esta terceira temporada foi praticamente perfeita em tudo o que quis fazer (excepto, talvez, um pequeno momento no final). The Leftovers sempre viveu com base nas suas próprias regras em tudo o que acontecia e a deixar no ar uma explicação, fazendo com que cada pessoa tenha uma opinião diferente sobre o que aconteceu, e isso foi um ponto a favor ao longo dos seus 4 anos de vida.

    The Leftovers vai deixar muitas saudades a quem acompanhou durante estas três temporadas. Acredito que será uma série discutida durante muitos anos, e que ficará na memória de quem acompanhou durante o seu tempo no ar. É com elevada expectativa que aguardo o próximo projecto de Lindelof na televisão. Esperemos que seja tão bom como The Leftovers, e só isso já seria um feito enorme.

    O que achaste desta temporada de The Leftovers?